Arquivos de Posts

Vinícolas visitadas no Chile e na Argentina - AGO-2015

Em nosso último passeio de férias em terras andinas escolhemos algumas vinícolas para visitar, algumas mais famosas e outras nem tanto. Os destinos: Santiago no Chile e Mendoza na Argentina.

A experiência e o aprendizado foram fantásticos, assim como as recordações que ficam. Cada vinícola ou bodega tem sua particularidade. Nas visitações algumas dão mais importância ao maquinário, outras ao vinhedo propriamente dito, algumas cobram pela visitação, outras não. Independente disso, todas têm em comum a característica singular de procurar demonstrar como são cuidadosas ao elaborar seus vinhos mais importantes.

Preparem-se, pois esta será uma postagem longa, em texto e fotografias.

 

Concha y Toro (CHI)

A visita foi agendada para o primeiro horário de uma Sexta-feira, às 10h00. Chegamos cedo e não havia mais ninguém, mas quando estávamos começando o passeio levamos um susto ao ver uma manada de turistas apontando pela entrada principal. Parecia estouro de boiada! O susto foi breve, pois de acordo com a guia aquela era outra turma, de outro horário. Pouco depois juntou-se a nós um casal de mais idade, brasileiros de São Paulo, então fomos somente nós quatro durante o resto do trajeto, que comprrendeu uma caminhada rápida pela parte externa ao casarão antigo da propriedade e pela encruzilhada de videiras preparada para os visitantes.

Seguiu-se a primeira degustação, do Trio Sauvignon Blanc de três terroirs – uma exclusividade da linha que de acordo com a guia não chega ao Brasil (os Trios exportados são todos trivarietais). Depois fomos conduzidos às caves internas da vinícola, que compreendeu uma série de salas de barricas e o famoso Casillero del Diablo (esconderijo do diabo), que fez a fama da Concha y Toro e dá nome a uma das marcas de vinho mais conhecidas do Chile e do mundo. Mais coisa de turista impossível, porém extremamente válido principalmente porque estávamos praticamente sozinhos ouvindo os ruídos produzidos pelo sisteminha de som. Se não me engano, as duas outras degustações que se seguiram foram de um Carmenčre da linha Marquês de Casa Concha e de um Terrunyo Cabernet Sauvignon, este último realmente excepcional.

Seguindo nossa programação de passeio, almoçamos no restaurante da própria vinícola. Havia muita gente degustando petiscos ou mesmo almoçando nas mesas da parte de fora do restaurante, mas como o sol já estava um pouco alto decidimos entrar e curtir o conforto de uma mesa. Detalhe interessante: assim como no restante dos lugares de Santiago que visitamos, a cozinha do restaurante só começa a funcionar para os pratos principais a partir do meio-dia. A decoração do restaurante da vinícola é simples porém muito bem-feita, e ao contrário do que se pode pensar para um lugar tão turístico os preços não estavam abusivos. Nossa escolha de garrafa: Marquês de Casa Concha Chardonnay 2013.

Na saída passamos algum tempo na lojinha para escolher alguns rótulos. Eu esperava encontrar todos os vinhos do portfólio que você vê no site da Concha y Toro, mas não foi isso o que aconteceu. A seleção disponível para venda é mais restrita, mas nem por isso menos memorável.

Concha y Toro - No estacionamento da recepção
No estacionamento da recepção da Concha y Toro
Concha y Toro - A visitação
Momentos da visitação
Concha y Toro - Conhecendo o interior
Conhecendo o interior da Concha y Toro
Concha y Toro - Área externa ao restaurante
A área externa ao restaurante
Concha y Toro - Restaurante
Almoço!
Concha y Toro - Marques de Casa Concha Chardonnay 2013
Acompanhando o almoço: Marques de Casa Concha Chardonnay 2013

Cousiño-Macul (CHI)

Saindo da Concha y Toro já no meio da tarde, fomos direto à Cousiņo-Macul para conferir a visitação com degustação premium. O grupo que se formou para acompanhar a visita já era mais numeroso, com pessoas de diversas nacionalidades. Começando do lado de fora da vinícola por um breve resumo de sua história, fomos levados à área interna de barricas tombadas como patrimônio histórico do país, e daí aos tanques e barricas de produção. Vislumbramos a sala onde fica a cave de vinhos exclusivos dos donos e um mini-museu com vários itens de outros tempos da indústria vitivinícola chilena.

Em seguida fomos separados do grupo e encaminhados a uma sala adjacente ao próprio hall da recepção, destinada à degustação premium. Além de cinco rótulos distintos, à mesa estava uma seção de queijos, pães e frutas secas destinados à harmonização com os vinhos. Muito solícito, nosso guia respondeu a todas as nossas perguntas e inclusive indicou restaurantes e lojas que poderiam ser visitadas mais tarde.

Cousiño-Macul
Eu estive na Cousiño-Macul!
Cousiño-Macul - Tanques de aço inox
Os tanques de aço inox da Cousiño-Macul
Cousiño-Macul - Sala de barricas
Visita à sala de barricas
Cousiño-Macul - Degustação premium
Cousiño-Macul: Degustação premium prestes a começar!
Cousiño-Macul - Degustação premium
Da esquerda para a direita:
Finis Terrae (blend de Cabernet Sauvignon e Merlot) 2011
Antiguas Reservas Merlot 2013
Don Matías Reserva Syrah 2014
Antiguas Reservas Chardonnay 2014
Isidora Riesling 2014

INTERLÚDIO

No passeio de van que fizemos para Valparaíso e Viña del Mar, no Valle de Casablanca, fica localizada uma loja de vinhos chamada Río Tinto, que vende rótulos de todo o Chile a preços muitas vezes mais convidativos que nas próprias vinícolas. Solicitada por todos no grupo, a parada lá foi obrigatória para que pudéssemos engordar um pouco mais nossas adegas. O lugar também funciona como bar e restaurante.

FIM DO INTERLÚDIO

 

Casarena (ARG)

Ainda sentindo a brisa fria da manhã de Mendoza, iniciamos a nossa primeira visita na região de Luján de Cuyo nesta bodega bem estruturada, na companhia de outro casal de brasileiros do Rio Grande do Norte. O guia nos explicou todo o processo e falou sobre as cepas cultivadas na vinícola, mas o ponto alto foi a degustação dos vinhos que ainda estavam em processo de envelhecimento nos tanques de aço inox. Tiramos o líquido diretamente das torneirinhas dos tanques, tanto um tinto (Malbec colhido em 2015) quanto um branco (Blanc de Blancs 2014 composto em sua maior parte por Chardonnay), atestando a natureza áspero do produto que ainda não está pronto para ir à garrafa. Fomos também apresentados à experiência mais recente dos enólogos da Casarena, a produção de uma nova linha Rosé em ovo de concreto.

Terminamos com uma agradável degustação na sala de exposição e vendas. Os vendedores estavam muito bem preparados para atender àqueles que se norteiam por pontuações de revistas especializadas como Wine Spectator ou Robert Parker, apontando nos guias os prêmios e menções honrosas conferidos aos seus melhores rótulos.

Casarena - Entrada
Chegando à Casarena Bodega y Viñedos
Casarena - Provando o Blanc de Blancs
Provando o Blanc de Blancs em estágio intermediário de evolução
Casarena - Ovo de concreto
Experiência com ovo de concreto em um novo rótulo rosé
Casarena - Sala de barricas
As barricas abrigam o néctar!
Casarena - Passeio, degustação e mimo
Momentos do passeio e da degustação, com um mensagem de mimo para os visitantes brasileiros

Clos de Chacras (ARG)

De característica ainda mais intimista, a bodega-boutique Clos de Chacras nos recebeu para um passeio na hora do almoço. Ali mesmo no pátio, ao lado do restaurante, são explicados como é o processo de recepção das uvas e como funciona o maquinário que faz a sua separação. Em seguida fomos levados aos corredores onde ficam os tanques de concreto antigos (que não mais funcionam) e aos tanques onde ocorre de fato a fermentação e o envelhecimento dos vinhos. Presenciamos os trabalhos de remoção de lotes e também a trasfega por meio de mangueiras.

Nosso almoço no restaurante da Clos de Chacras foi em três passos, com entrada, prato principal e sobremesa harmonizados com três variedades distintas de vinho. Tudo de muito bom gosto e muito bem servido, com ótimo atendimento. Na saída, o jeito foi escolher mais um par de rótulos para levar pra casa.

Clos de Chacras - Muito Malbec!
É muito Malbec!
Clos de Chacras - Caves de concreto desativadas
Caves de concreto desativadas da Clos de Chacras
Clos de Chacras - Esperando pelo almoço
É chegado o momento do almoço
Clos de Chacras - Entrada com Cavas de Crianza Malbec Rosé
Cavas de Crianza Malbec Rosé, como acompanhamento da entrada
Clos de Chacras - Almoço
As delícias do almoço na Clos de Chacras

Achaval-Ferrer (ARG)

Nos últimos anos a Achaval-Ferrer viu seu nome figurar em várias listas de melhores da Argentina, e não é para menos. A vista na chegada da vinícola é belíssima, o que quase nos deu tristeza por estarmos fazendo a visitação ao final do inverno. As degustações, realizadas na varanda da recepção, convidam à contemplação do horizonte enquanto as taças são preenchidas com rótulos de renome como Bella Vista, Mirador e Quimera. Dali mesmo o guia nos levou à área interna da bodega, para um vislumbre rápido do processo e uma rodada rápida de perguntas e respostas. Teríamos ficado um pouco decepcionados se tivéssemos escolhido a Achaval-Ferrer como primeiro destino do dia, mas como já estávamos relativamente alegres devida às estripulias alcoolicas não nos importamos muito com isso.

Além das obrigatórias garrafas de vinho, levamos para casa também o espetacular azeite da Achaval.

Achaval-Ferrer
Chegando à Achaval-Ferrer
Achaval-Ferrer - Degustação
Hora de provar os vinhos!
Achaval-Ferrer - Quimera 2011
Sentindo os aromas do Quimera 2011
Achaval-Ferrer - Barricas
No galpão de barricas da Achaval-Ferrer
Achaval-Ferrer - Vista para a cordilheira
Vista para a cordilheira ao final do inverno mendocino

Domiciano de Barrancas (ARG)

Domiciano de Barrancas foi a primeira bodega visitada num dia dedicado à sub-região de Maipú. Começamos pela área externa, próxima aos vinhedos, e depois fomos apresentados à linha de produção, que conta com um enorme tanque de concreto que parece inteiriço mas é subdividido internamente e acessado pelos túneis na parte inferior da bodega. Uma das particularidades desta vinícola, a qual é amplamente divulgada tanto na visita quanto no material de divulgação, é que a colheita das uvas é executada durante o período noturno, teoricamente para aproveitar ao máximo o frescor dos bagos e assim produzir vinhos mais frescos e representativos de seu terroir.

Já na sala de degustação, provamos toda a linha de tintos e o Chardonnay, que é a única variedade branca com a qual eles trabalham. A guia teve a cortesia de nos mostrar os famosos chips de carvalho que são utilizados nos tanques de aço inox para passar os aromas amadeirados aos vinhos sem que estes tenham que ser envelhecidos em barricas propriamente ditas (uma prática que nem sempre é divulgada ou mesmo admitida por muitas vinícolas).

Domiciano de Barrancas - A manhã no vinhedo
A manhã diante das vinhas da Domiciano de Barrancas ao final do inverno
Domiciano de Barrancas - Tanque de concreto
O enorme tanque de concreto da vinícola
Domiciano de Barrancas - Sob os tanques de concreto
Frio abaixo dos tanques!
Domiciano de Barrancas - Degustação
Hora de degustação
Domiciano de Barrancas - Chips de carvalho
Uma amostra dos chips de carvalho que são usados em tanques de aço para passar os aromas e sabores da madeira

Domaine St. Diego (ARG)

Fantástica bodega de administração completamente familiar, a Domaine St. Diego é tão pequena que vende seus vinhos somente em alguns restaurantes locais e ali mesmo. Caminhamos ao longo dos parreirais em companhia da Laura, filha do enólogo e proprietário, enquanto ela explicava com riqueza de detalhes todo o processo de produção, das raízes da planta ao engarrafamento final, passando ainda pelo terroir, pelo processo de irrigação e pela distribuição das vinhas nos vários parreirais.

Além do passeio enófilo ganhamos também uma aula sobre o processo de produção de azeites, que aprovamos e trouxemos conosco. Sobre os ótimos vinhos, um destaque especial vai para o espumante feito exclusivamente com a variedade local Patricia, que faz parte da ousada linha Paradigma.

Domaine St. Diego - Bem-vindos!
Bem-vindos à Domaine S. Diego, bodega de família
Domaine St. Diego - Em meio às oliveiras e aos parreirais dormentes
Em meio às oliveiras e aos parreirais dormentes
Domaine St. Diego - Degustação extra de azeites de oliva
Degustação extra de azeites de oliva
Domaine St. Diego - Vinhas de Malbec, Cabernet Sauvignon e Cabernet Franc
Vinhas de Malbec, Cabernet Sauvignon e Cabernet Franc que entram na composição do tinto Paradigma
Domaine St. Diego - Caixas de espumante de uva Patricia
Caixas de espumante de uva Patricia

Finca Agostino (ARG)

Para encerrar o dia e as aventuras enófilas na Argentina escolhemos a Finca Agostino, que não chega a ser tão pequena assim. A estrutura é respeitável, com um casarão que está prestes a se tornar um hotel de luxo e um restaurante igualmente chique. Depois de observamos a extensão da propriedade a partir do deck de madeira localizado sobre a loja, nossa guia nos conduziu através de toda a instalação de vinificação, da área externa onde as uvas são recebidas até os tanques e barricas onde os vinhos são envelhecidos.

A degustação acabou acontecendo durante o próprio almoço, um menu de cinco etapas e cinco harmonizações diferentes. Sinceramente, a refeição perfeita para encerrar as férias na Argentina. E depois ainda degustamos mais alguns rótulos na loja, antes de voltarmos ao hotel para nos recuperar da farra enófila.

Finca Agostino
Chegando à Finca Agostino
Finca Agostino - Paisagens de cartão-postal
Paisagens de cartão-postal na Finca Agostino
Finca Agostino - Preparando-se para o almoço
Preparando-se para o almoço
Finca Agostino - Prato principal, harmonizado com o Agostino Familia Gran Reserva 2012
Prato principal, harmonizado com o Agostino Familia Gran Reserva 2012
Finca Agostino - Momentos do final de mais um dia de muita enofilia e boa mesa
Momentos selecionados do final de mais um dia de muita enofilia e boa mesa

Como vocês puderam ver, fica aqui nossa dica de dois destinos turísticos fantásticos para os verdadeiros amantes do vinho.

Saúde!

Texto postado por Edward em 15 de Outubro de 2015

« Post Anterior «   |   » Post Seguinte »
Valid XHTML 1.0!Valid CSS!