Cinema

A Babá - Rainha da Morte

A Babá - Rainha da Morte
Título original: The Babysitter - Killer Queen
Ano: 2020
País: Estados Unidos
Duração: 101 min.
Gênero: Terror
Diretor: McG (As Panteras - Detonando, Somos Marshall, O Exterminador do Futuro - A Salvação)
Trilha Sonora: Bear McCreary (Rota Mortal, Floresta do Mal, Boneco do Mal)
Elenco: Judah Lewis, Samara Weaving, Jenna Ortega, Emily Alyn Lind, Andrew Bachelor, Robbie Amell, Bella Thorne, Hana Mae Lee, Ken Marino, Leslie Bibb, Chris Wylde, Carl McDowell, Maximilian Acevedo, Juliocesar Chavez, Jennifer Foster
Avaliação: 5/10

Visto via Netflix em 15-DEZ-2022, Quinta-feira

Apesar de ter saído fisicamente ileso dos eventos fatídicos mostrados em A Babá, alguns anos depois o jovem Cole (Judah Lewis) ainda segue desacreditado por todos enquanto cursa o ensino médio. Sua reputação de nerd recluso não mudou em nada, exceto por sua proximidade com a melhor amiga (Emily Alyn Lind). Acreditando que seus pais querem mandá-lo para um instituto psiquiátrico, o rapaz aceita o convite da garota para passar uma noite fora com ela e mais colegas da escola. A surpresa é grande quando alguns desses colegas se revelam membros do mesmo culto satânico visto no primeiro filme, mas o espanto é ainda maior quando quatro dos membros originais reaparecem ressuscitados. A pergunta que se forma imediatamente é: onde estará a babá sexy (Samara Weaving) que começou toda essa bagunça? Em meio a flashbacks reveladores, uma quantidade ainda maior de referências à cultura pop e um punhado de reviravoltas, uma nova e enigmática personagem entra em cena: a garota nova que acabou de chegar ao colégio (Jenna Ortega). Ela se une ao protagonista em sua luta desesperada para sobreviver, enquanto o pai do garoto (Ken Marino) acaba sendo tragado para uma aventura bastante sangrenta e movimentada. É só por isso que dá para perdoar os furos absurdos na fundamentação básica da história, como o punhado de pessoas mortas da qual ninguém dá falta ou a insistência em obter o sangue de um jovem "puro" porém em franca adolescência, entre outras coisas malucas.